DIA 20 PT DECIDIRÁ EM SÃO LUÍS OS RUMOS DA SUCESSÃO MUNICIPAL


Em documento interno tornado público aos quase oito mil filiados que o Partido dos Trabalhadores (PT) possui na capital maranhense, o presidente do Diretório Municipal em São Luís, vereador Honorato Fernandes, apresentou aos correligionários os possíveis destinos que poderão ser seguidos pela sigla no processo eleitoral, até então, marcado para outubro deste ano. Segundo Fernandes, o primeiro caminho tem como base a resolução nacional datada de março de 2020, na qual a Executiva Nacional, evidenciando a importância do pleito para o projeto partidário nacional, orienta que em todas as capitais do Nordeste a sigla lance candidatura própria.

Neste cenário, além do deputado Zé Inácio, aparecem os nomes de Cricielle Muniz, coordenadora do projeto Travessia e membro da Executiva Nacional, e do próprio vereador Honorato. A segunda possibilidade diz respeito à política de alianças.

“No tocante à composição, as nossas diferentes forças avaliam os nomes dos pré-candidatos José Carlos do Vale Madeira (Solidariedade), Rubens Junior (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB) e Duarte Junior (Republicanos), todos aliados do governador Flávio Dino. Mas é importante ressaltar que, para cada movimento, digo, seja de candidatura própria ou composição, existem prós e contras, pois, muito embora estejamos buscando uma representação própria, temos a consciência que precisamos de uma candidatura que encabece um bom debate para cidade”, esclareceu o presidente.

É oportuno ressaltar que, com base em deliberação da Direção Nacional, por meio de procedimento extraordinário de abril de 2020, a decisão do rumo que deverá ser seguido ficará a cargo exclusivo da Executiva Municipal, formada por 45 membros e, posteriormente, referendada pela Nacional.  Os rumos do partido começarão ser definidos no próximo dia 20, quando acontecerá o Encontro de Tática Eleitoral.

“Neste encontro, estaremos decidindo por candidatura própria ou aliança. Particularmente, na condição de presidente, defendo que tenhamos o nosso próprio candidato, desde que preenchidos dois requisitos: o primeiro, precisa atender ao projeto nacional do partido e; o segundo, que haja uma unificação de todas as forças em torno de um nome que tenha condições de realizar um debate propositivo em favor da cidade. Contudo, a decisão ficará a cargo do nosso Diretório e acompanhada pela Direção Nacional“, explica Honorato.

PROCESSO INTERNO DE ESCOLHA

A pluralidade de ideias figura como uma das principais características do PT, considerado o maior partido do País, tomando por base os quase 50 mil filiados só no Maranhão. Após o desgaste sofrido desde o impeachment da então presidente Dilma Rousseff e a inelegibilidade do ex-presidente Lula, o partido vem passando por muitas dificuldades e um processo de restruturação, entretanto, não foram alterados a forma (DE QUÊ???) e o respeito às decisões, que permanecem sob a competência dos órgãos colegiados.

No caso das eleições municipais, conforme já informado, a decisão do caminho a seguir ficará a cargo do Diretório Municipal que, posteriormente, deverá ser ratificada pela Direção Nacional. Muito embora várias informações tenham sido divulgadas nos últimos dias quantos aos possíveis candidatos que poderão representar a legenda na atual conjuntura, o grupo Articulação goza de uma posição confortável e privilegiada.

Representado na esfera estadual por Francimar Melo e Cricielle Muniz, com o apoio da força Resistência Petista - grupo liderado pelo deputado federal Zé Carlos, e, no campo municipal, coordenado pelo vereador e presidente Honorato Fernandes -, a Articulação possui a maioria tanto na Executiva quanto no Diretório Municipal, a quem caberá decidir se os petistas apresentarão candidato próprio ou se farão alianças.

Dos 15 membros da Executiva, o presidente conta com o apoio da maioria, no caso, oito. 

Esse número eleva para nove contando com o voto da corrente liderada por Ronaldo Pereira Silva, perfazendo, assim, um total de 60%. O restante dos votos, no caso seis, está representado por outros grupos. 

O deputado Zé Inácio detém apenas três votos e os demais pertencem aos segmentos da Articulação de Esquerda, DS e Unidade Petista. No Diretório Municipal, composto por 45 membros, incluindo o presidente, a situação não é muito diferente.

Fernandes possui apoio de 23 membros, ou seja, 50% mais um. Esse percentual eleva para 55,55% (25 votos) quando somado aos dois votos de aliados de demais forças internas. 

Os outros 19 membros são filiados que apoiaram a eleição do candidato derrotado Kleber Gomes, porém, o grande problema é a falta de uma posição uníssona em torno do rumo que será seguido pelo partido. Os seguidores do deputado, que defendem o nome do parlamentar como candidato, só dispõe de dez votos. 

Já os representantes das outras forças, num total de nove, defendem aliança com outros partidos.

DISPUTA INTERNA

De acordo com informações obtidas na base, três nomes são cotados para disputar prévias do partido à prefeitura da capital, maior colégio eleitoral do Maranhão e ponto estratégico na política estadual rumo à corrida de 2022. São eles: o deputado Zé Inácio; o vereador Honorato Fernandes, presidente municipal da legenda; e a militante Cricielle Muniz.


Entre os nomes que devem participar do processo eleitoral interno, o nome de Honorato é o que tem mais força internamente, por conta da sua densidade eleitoral na capital. Só para se ter ideia disso, em 2018, mesmo não sendo eleito para Assembleia Legislativa, Honorato venceu Zé Inácio na capital maranhense.

Zé Inácio obteve apenas 2.483 votos na cidade, equivalente a 0,48% do eleitorado ludovicense. Por sua vez, Honorato conquistou 5.780 votos, equivalente a 1,12% da votação, sendo o petista mais bem votado no pleito daquele ano em São Luís. No entanto, mesmo gozando do apoio da maioria dos membros da Executiva e do Diretório, além de uma maior densidade eleitoral, por conta de um projeto coletivo, não estaria descartada a possibilidade de o vereador abrir mão de participar da disputa e indicar alguém também do campo da Articulação.

Neste caso, a bacharel em Direito - Cricielle Muniz seria a aposta. Jovem, dona de discurso forte, inteligente, militante, mulher e negra, a mesma tem tido seu nome bastante ventilado dentro da legenda. 

Ela, inclusive, tem uma boa interlocução com Honorato e poderia convencer o parlamentar a apoiar sua candidatura. Além disso, Cricielle tem conseguido um bom espaço a nível local e nacional.