Nora e cunhada do prefeito de Vargem Grande integram quadro de servidores da Assembléia


Funcionárias que são parentes de Carlinhos Barros têm indícios de que não trabalham

A Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema) emprega em cargos comissionados ou funções gratificadas vários parentes de políticos maranhenses.

 Duas destas nomeações, disponíveis no portal da transparência da instituição, beneficiaram parentes do prefeito de Vargem Grande, Carlinhos Barros, aliado politico do deputado Othelino Neto, chefe do legislativo estadual.

No primeiro caso, Juliana Sipaúba Barros, nora de CB – como o prefeito vargem-grandense é conhecido –, conseguiu uma ‘boquinha’ com um cargo em Comissão de Assessora de Comunicação, lotada na Diretoria de Comunicação, com um salário de R$ 5.367, conforme folha de pagamento referente ao mês de julho. Sipaúba, que é jornalista por formação, integrava o quadro de comunicadores da TV Assembleia, entretanto, ela não tem sido vista na programação da emissora.

Por uma semana, o blog monitorou o local onde a jornalista deveria trabalhar, mas não conseguiu localizar a comunicadora. Ela, entretanto, foi flagrada no município administrado pelo sogro onde também seu marido – filho do chefe do executivo – comanda a Secretaria de Esportes.

Sipaúba não é a única a integrar a "bancada dos parentes" de CB na Casa do Povo. Levantamento realizado pela reportagem descobriu que a nutricionista Jorismar Garreto de Sousa, que seria cunhada do prefeito vargem-grandense, também foi contemplada com uma nomeação como Assessora Técnica, lotada na Creche Sementinha, com um salário de R$ 3.491,27, conforme folha de pagamento referente ao mês de julho. Assim como no primeiro caso, Jorismar  também não tem sido vista na unidade de ensino instalada no espaço da Assembleia.


Mas o nepotismo ‘descarado’ não se resume apenas ao Legislativo estadual. Nos próximos dias o blog vai trazer uma lista completa de parentes que compõe o cabide de emprego da Prefeitura de Vargem Grande que custa caro para os cofres públicos e pesa no bolso do contribuinte vargem-grandense.